Pages

domingo, 14 de março de 2010

Tenho andado preguiçosa no que toca à escrita. Seja no blogue, seja no meu exercício do direito ao uso das palavras. A inspiração não abunda por estes lados e quando assim é remeto-me humildemente ao silêncio. Talvez porque nos últimos dois meses tenho gasto toda a energia criativa no novo desafio profissional... Mas começo a sentir falta de agarrar na caneta e deixar-me ir ao sabor do que as palavras me querem dizer. São poucas as coisas que me deixam tão feliz como um texto acabado de escrever. Ali depositei angústias, tristezas, sorrisos, descobri novos caminhos e visitei os mesmos lugares de sempre. Mas definir com palavras estados de alma é das coisas mais perfeitas que um ser humano pode fazer. E a paixão que eu tenho pela escrita é uma espécie de Primavera em dias de Inverno. Um bom texto dá-me horas de sol mesmo nos dias mais cinzentos. E hoje na minha leitura diária da blogosfera sorri ao ler no Sushileblon da Mónica Marques as frases que se seguem...




"Toda a gente devia escrever poesias, músicas, quadras, bulas de remédios, receitas culinárias, receitas médicas. Qualquer coisa que fosse, qualquer coisa que seja, por mais parva, mais insignificante, mais obtusa, mais excêntrica, mais genial. E cartas de amor. E fazer cem revoluções por minuto letra a letra, com vírgulas ou sem vírgulas, enormes pontuações, interrogações à brava e exclamações à bruta. Escrever é a maior cura, a maior forma de entender e resolver o mundo. Escrever é a melhor coisa do mundo. "

Mónica Marques
SHARE:

4 comentários

Miss Kitty disse...

É isso mesmo que sinto!

Escrevo um monte de parvoíces e sinto-me melhor...

**

Merenwen disse...

Concordo, parece libertar a alma. Só tenho pena de ter tão pouco tempo para o fazer

Mi disse...

Toda a gente passa por períodos de menor inspiração para a escrita, ou para o que quer que seja. Mas a escrita é, realmente, uma actividade que tem tanto de entusiasmante como de relaxante...
kiss

Poetic GIRL disse...

Eu também sinto essa necessidade de escrever, acho que é a forma que tenho de desabafar o turbilhão de emoções que moram cá dentro. E sim também fico muito feliz quando tenho um texto elaborado... bjs

© Feira de Vaidades. All rights reserved.